No dia mundial da Imunização, viemos explicar a você, interessado em garantir o melhor para o seu Pet, porque a vacinação, por si só, não garante por completo a boa defesa imunológica dos animais sendo, esse resultado, dependente de alguns outros fatores.


Muitos pensam que, após a visita ao veterinário para a aplicação da vacina, os Pets voltam para casa já com a devida defesa necessária, que garanta a sua não infecção por determinados vírus e bactérias, contra os quais a vacina foi desenvolvida. E isso não é verdade!


A aplicação da vacina consiste somente na sensibilização do organismo (sistema imunológico do Pet) com partículas que irão provocar a resposta imunológica à vacina. Isso significa que após a aplicação, o organismo do animal vacinado ainda deverá cumprir uma importante tarefa: a de produzir, efetivamente, os anticorpos que serão utilizados dali em diante pelo seu organismo para se defender, ao se deparar com os vírus e bactérias verdadeiros, no meio ambiente.


Para a adequada “fabricação” dos anticorpos, é fundamental que o Pet seja vacinado em um momento muito saudável de sua vida, no qual sua imunidade não esteja sendo “desafiada” por qualquer outro patógeno – seja ele viral, fúngico, bacteriano ou parasitário. Por isso é tão importante que, antes da aplicação da vacina, o médico veterinário realize exame físico completo e mensure seus parâmetros fisiológicos – tais como a temperatura retal, a frequência respiratória e cardíaca, o status de hidratação, entre outros – para então assegurar o seu bom estado de saúde, antes que o Pet seja sensibilizado pelos elementos vacinais.


Em algumas ocasiões, o médico veterinário pode (e deve) lhe indicar, inclusive, a realização de checkups hematológicos, que são capazes de avaliar mais detalhadamente o estado geral de saúde do seu amigo, mas também a qualidade da resposta vacinal que o seu Pet provavelmente terá, frente a aplicação (estímulo) da vacina. Isso pode ser feito por meio da avaliação da “série branca” (as células de defesa, presentes no hemograma), que desempenham importante papel na produção dos anticorpos vacinais.
Então, agora você já sabe: quando chegar a hora da revacinação do seu Pet, jamais aceite que a aplicação seja realizada por qualquer pessoa que não um profissional médico veterinário habilitado e experiente no atendimento da espécie do seu Pet, e faça questão de que um completo exame físico seja realizado, antes de qualquer aplicação. E se, nesse momento, já tiver se passado um bom tempo desde o seu último checkup, acredite: esse é um momento excelente para atualizá-lo, pois isso pode evitar que a vacina surta um efeito de “sobrecarga imunológica”, em um momento de debilidade do seu Pet – ainda que, aparentemente, tudo esteja bem. Nesse caso, será o momento de assumir o tratamento específico para o que os exames diagnosticaram, devendo-se postergar a aplicação da vacina, para assim que a saúde do seu Pet tenha se reestabelecido.