Na fase adulta, é muito importante ressaltar que a manutenção de checkups periódicos é o que permite ao médico veterinário, o diagnóstico precoce de muitas enfermidades típicas da senilidade. E é somente dessa forma que – do ponto de vista médico – garantimos o aumento da qualidade de vida a longo prazo, e consequentemente o aumento da expectativa de vida do animal.

Em outras palavras, quando diagnosticamos (no cão adulto) algum grau mínimo de uma alteração na funcionalidade de um órgão, temos muito ainda o que fazer para evitar as crises de descompensação ou insuficiência do órgão afetado. Em contrapartida, se esse mesmo diagnóstico é alcançado somente na fase da senilidade (tipicamente quando a doença já se encontra em um grau avançado), as perspectivas de controle são muito mais limitadas. Geralmente, e infelizmente, quando os checkups não são realizados, os pacientes são atendidos em plena crise.

Durante a vida adulta do cão é necessário, também, mantermos a atenção direcionada a alguns diagnósticos comuns para todos os cães (de qualquer raça), mas algumas outras enfermidades apresentam uma predisposição racial bem conhecida. Além disso, o hábito de vida do cão também pode influenciar no aumento ou diminuição da chance de ocorrência de certos problemas específicos.

Confira, no quadro a seguir, situações muito comuns na rotina de atendimento de cães adultos. Você também vai saber quando há, ou não, alguma correlação da doença com o estilo de vida ou a raça do seu amigo pet:

 

DIAGNÓSTICOS COMUNS NO ATENDIMENTO DE CÃES ADULTOS
O problema. O que é? Quem corre mais risco? Como evitar.
Doenças transmitidas por infestações de carrapato. Doença causada por diferentes organismos que habitam o interior do carrapato e são transmitidos aos cães através da picada, capazes de gerar doença sistêmica grave, que se manifestam (entre outras complicações), através da anemia profunda, inflamação sistêmica, alterações imunológicas e falha do organismo para a produção e reposição de células sanguíneas. Cães que não recebem proteção contínua através do uso de produtos veterinários comerciais.
Cães expostos a ambientes com elevada chance de infestação, como sítios, parques com outros animais.
Seguir orientação veterinária para a eleição do melhor medicamento a ser utilizado; Respeitar a orientação do fabricante do produto quanto ao seu prazo de ação; Evitar a exposição do seu cão a ambientes com muito risco de infestação.
Pancreatites Doença grave que pode afetar o funcionamento de todos os demais órgãos além do pâncreas, com chances de levar à sepse e morte sem tratamento adequado. Cães que recebem a oferta de alimentos (especialmente gordurosos) em casa, sem recomendação veterinária. Manter a alimentação do seu cão de modo regrado, definido junto com o médico veterinário. Conversar com o veterinário para entender quais alimentos podem intoxicar o cão, ou que podem mais facilmente, afetar o pâncreas, fígado e o trato
digestivo dos cães.
Giardíase Doença causada por um protozoário que habita a mucosa intestinal dos animais e ser humano e causa sinais gastrointestinais como vômito, náusea diarreia, presença de muco nas fezes, falta de apetite, apatia e desidratação. Animais que ingerem água não tratada, e que frequentam constantemente áreas visitadas por outros animais, como parques. É ocorrência comum na fase adulta, mas também afeta muitas vezes, os filhotes. Oferecer água sempre filtrada ao seu cãozinho; evitar o contato direto com outros animais cujo estado de saúde não seja conhecido (ou com as fezes de outros animais); Manter um adequado manejo dos dejetos do seu cão, bem como a higienização do ambiente em que ele vive.
Doenças Alérgicas Alergias são desencadeadas por diferentes agentes, sendo eles ambientais (poeira, pólen, gramíneas), alimentares, ou microorganismos (ácaros domésticos, por exemplo), com manifestações clínicas que podem surgir em diferentes sistemas do organismo – como o dermatológico, o gastrointestinal e o respiratório. Algumas raças caninas são mais predispostas a alguns processos específicos de alergia, tais como: Bronquite alérgica nas raças pequenas como Yorkshire, Chihuahua, Pequinês; Alergia alimentar nas raças Pastor Alemão, Lhasa Apso, Yorkshire, Cocker Spaniel; Dermatite atópica nas raças Boxer, Labrador, Golden, Fox Terrier, Schnauzer Miniatura, Dálmata, Cocker Spaniel, Pug e Shar Pei. É importante que o tutor do cãozinho alérgico se mantenha atento aos sinais visíveis do processo alérgico (lesões na pele, nos casos de atopia; ocorrência de tosse nos casos de bronquite; diarreia e/ou vômito nos casos de alergia alimentar), para que, diante deles, busque por atendimento veterinário até que o diagnóstico seja encontrado. Geralmente, o diagnóstico das alergias exige a exclusão de outras possibilidades, até que o tratamento possa ser direcionado de forma correta.
Corpo Estranho Alimentar É a ocorrência da ingestão de material não alimentar (objetos), capazes de ocasionar um quadro obstrutivo no trato digestório do cão, podendo levar à ruptura, hemorragia e sepse. Cães que possuem o hábito de destruir ou fragmentar objetos em casa, ou aqueles com muita energia e baixa atividade física, apresentam um maior risco de ingerirem corpo estranho. De qualquer modo, se o cão tem esse hábito de destruição, seu tutor deve remover do seu alcance tudo o que o cão possa destruir. O adestramento do seu companheiro pode ser benéfico nos casos em que a destruição de objetos está presente como hábito ou diversão na vida do cão. Incrementar a interatividade do animal com as pessoas e aumentar o número de passeios diários pode também reduzir a ansiedade, diminuindo os riscos desse incidente.
Infecções do Trato Urinário É constatada através do crescimento bacteriano na urina, no interior da bexiga (trato urinário inferior) do cãozinho ou cadela. Esse tipo de infecção pode ocorrer com a influência de certos hábitos e comportamentos do pet, por alterações anatômicas que predispõem à infecção, ou outros motivos primários, que exigem exames de triagem, até a identificação da causa em cada caso. É comum o diagnóstico de Infecção do trato urinário nos cães que, por hábito, retêm por muito tempo a urina dentro da bexiga (esperando a hora do passeio) ou, ainda, nos casos em que identificamos uma baixa taxa de ingestão de água,
no dia a dia do cão.
Utilizar um maior número de tapetes higiênicos em casa (ou renová-los com maior frequência) pode ser um incentivo para que seu pet elimine a urina com maior frequência. Aumentar o número de passeios diários também pode ajudar muito nessa eliminação mais frequente da urina, bem como a maior ingestão de água ajuda a formar mais urina, inibindo o acúmulo de urina na bexiga por muito tempo. As dicas são: aumentar o número de potes de água, criar brincadeiras usando a água, e introduzir alimentos úmidos na dieta, ricos em água.
Alterações Orais e Dentários São vários os tipos de alterações dentárias que os cães podem apresentar, envolvendo diferentes estruturas como: gengiva, osso, língua, glândulas salivares, o dente propriamente dito, etc. Existem vários graus de alteração quando falamos das periodontites, sendo que os graus mais avançados podem gerar infecções e inflamações até mesmo em outros órgãos, como o coração, o fígado e os rins. Todos os animais a partir de 1,5 anos de idade devem passar por avaliação odontológica anual pois, invariavelmente, todos eles em alguns momentos da vida, precisarão do procedimento de remoção dos cálculos dentários (tártaro) – realizado pelo médico veterinário odontologista, assim como ocorre conosco, humanos. Individualmente, alguns animais podem se mostrar mais suscetíveis ao acúmulo das placas bacterianas. Além disso, raças como o Yorkshire, Maltês, Spitz Alemão, Poodle, Chihuahua e Pinscher também são mais predispostas. Ainda que o seu cãozinho escove os dentes todos os dias, a profilaxia odontológica não deixa de ser necessária, porque somente ela consegue efetivamente remover as sujidades que se acumulam abaixo da gengiva (no espaço subgengival). Fique atento, também, se o seu cão tem conseguido apreender o alimento normalmente. A presença de apetite aliada à baixa ingestão da dieta pode ser um sinal importante de dor na cavidade oral!