A obesidade tem aumentado consideravelmente na população animal e muitas vezes pode parecer uma alteração não patológica para os seus responsáveis. Inclusive, muitos tutores de animais de companhia, sem a orientação devida, costumam achar “fofinho” quando seus Pets acumulam quilos a mais. Entretanto, a condição de obesidade é sim uma doença, e pode trazer consequências importantes para a saúde dos animais se não for tratada e acompanhada pelo médico veterinário.
Com características multifatoriais para o seu surgimento, a obesidade leva a um acúmulo exagerado de tecido adiposo no organismo animal, com potencial prejuízo de funções fisiológicas. Os fatores que podem predispor o animal ao excesso de peso não é novidade aos humanos, e envolve a abundante oferta de alimento ou petiscos palatáveis com alto teor energético, aliado a um estilo de vida sedentário. Esses dois fatores associados resultam em uma redução do gasto energético e, consequentemente, em um balanço metabólico positivo – e o resultado de acúmulo de gordura corpórea.
Em 2018 nos Estados Unidos, foi realizada uma pesquisa para estimar qual o percentual de obesidade ou sobrepeso dos animais domiciliados. O resultado concluiu que cerca de 60% da população dos gatos e 56% dos cães encontravam-se acima do peso. Assustador, não é mesmo? O fator genético relacionado à obesidade está bem descrito em humanos e animais de laboratório, mas essa não é ainda uma realidade, por exemplo para os cães. Raças como Basset Hounds, Beagles, Cocker Spaniels, Dachshunds e Labradores apresentam maior predisposição a se tornarem obesos, o que sugere haver um fator genético envolvido, evidenciado pela condição racial. Alguns estudos atuais indicam também o aumento do sobrepeso na população de cães e gatos, ocasionado pela prática da castração desses animais. Esses estudos apontam que, possivelmente, a queda dos hormônios associados ao trato reprodutivo como o estrógeno e o andrógeno seja a razão do incremento no apetite e da diminuição de massa magra. Outro ponto a se considerar, no que diz respeito a cães e gatos castrados, é o fato de que sem os estímulos naturais voltados à reprodução (de fêmeas no cio, por exemplo), eles tendem a gastar menos energia diária. Contudo, na prática, podemos compensar a tendência de gasto calórico diminuído desses animais, estabelecendo passeios e outras atividades caseiras, capazes de facilmente manter animais castrados em seu peso ideal, e com uma vida ativa. Além disso, dietas comerciais caninas e felinas de alta qualidade oferecem versões
aos animais castrados, nas quais o aporte de gordura e calorias é também mais comedido. Outro dado evidenciado por estudos controlados, é a incidência maior da doença (obesidade) em animais adultos e idosos, já que esses diminuem sua atividade física e metabólica naturalmente, com o avanço da idade.

Como diagnosticar a obesidade nos animais?

O diagnóstico da doença é feito pela avaliação do paciente pelo médico veterinário, que irá realizar a inspeção e palpação direta. Essa avaliação permite, além de definir o escore corpóreo (que ajuda o médico a mensurar o quanto acima do peso, o paciente se encontra), estimar o peso corpóreo ideal do paciente e a quantidade de gordura corporal do animal. A obesidade compromete a qualidade de vida e a expectativa de vida dos indivíduos acometidos, bem como predispõe a uma série de doenças e distúrbios, como as: osteoartrites, distúrbios circulatórios, alterações respiratórias, diabetes mellitus e hiperlipidemias (excesso de gordura circulante). A resistência insulínica é associada à obesidade nos cães e gatos, e sabe-se que a deposição de gordura em órgãos como o fígado e músculos tem papel importante na sua determinação. Associada a ela, há um aumento da produção hepática de glicose, decorrente da resistência do fígado à ação da insulina, podendo evoluir assim para o quadro de diabetes mellitus.

O que você pode fazer, enquanto responsável pelo seu Pet, para evitar que ele sofra as consequências da obesidade?

Muitas vezes, em casa, é difícil concluir se o seu Pet necessita de acompanhamento veterinário para a redução de peso. Por isso, sempre que estiver junto do médico veterinário, questione-o a respeito do assunto!
No que diz respeito à abordagem dos médicos veterinários sobre o assunto, a conscientização sobre os cuidados a serem direcionados aos animais domiciliados ao longo da vida, a respeito da obesidade, precisa estar presente desde o primeiro atendimento, bem como nas consultas de rotina clínica. Consideramos como primeiro passo – para garantir a longevidade com qualidade de vida – o acompanhamento rotineiro dos pacientes por um médico veterinário, com a adequada frequência de realização de exames hematológicos e de imagem, sempre que se fizerem necessários, pois esses são sempre complementares aos achados clínicos e laboratoriais, obtidos durante o checkup. Em consultório, a obesidade pode e deve ser tecnicamente notada e manejada terapeuticamente. Quanto mais cedo essa abordagem existir para o seu Pet, mais rápidos, duradouros, e sem consequências metabólicas crônicas serão os resultados obtidos. Para o tratamento de um paciente com diagnóstico de obesidade, o
objetivo básico é criar situações estratégicas para a obtenção de um balanço energético negativo, que por fim favoreçam a perda de peso, embora seja fundamental que esse objetivo seja alcançado de modo saudável, gradual e acompanhado profissionalmente. Para isso, o profissional médico veterinário também orientará a família quanto ao incremento de novas atividades na rotina do animal, através da realização de atividades físicas, além dos ajustes necessários no tipo de alimento a ser ofertado (evitando-se petiscos e outros elementos na dieta que apresentem alto teor calórico). Há, também, a necessidade de promovermos a correção de outras possíveis disfunções orgânicas que favoreçam o acúmulo de peso (individualmente), o que só pode ser detectado e corrigido, se houver o acompanhamento do médico veterinário. Não se desespere, se você não sabe dizer se o seu Pet tem sobrepeso! Agende uma consulta com um de nossos médicos veterinários, para que essa avaliação seja realizada com segurança. Juntos, iremos criar maneiras de alcançar o maior objetivo de todos: fazer com que nossos Pets possam amadurecer e envelhecer com qualidade de vida e muita saúde.