Dia mundial de Luta Contra Hepatites Virais

No dia mundial de luta contra as hepatites virais (dos humanos), viemos lembrar aos apaixonados por cães – e agora também aos apaixonados por gatos – que nossos Pets também podem ser acometidos por infecção viral direcionada ao fígado, e infelizmente com diversas consequências graves.

Nos cães, a hepatite viral é causada por um vírus chamado “Adenovirus tipo I canino”, cuja doença tende a se desenvolver em cães com menos de 1 ano de idade, especialmente aqueles que não receberam o protocolo vacinal polivalente (as vacinas V10, ou V8, ou V7 – que devem ter suas aplicações iniciadas entre a sexta e oitava semana de vida dos cãezinhos).

Recentemente, um vírus denominado “Hepadnavirus” (similar ao vírus causador da Hepatite B em humanos) foi identificado em gatinhos domésticos e também relacionados a doenças hepáticas (ou seja, do fígado) na espécie felina. Em um estudo, esse vírus foi encontrado em 43% dos gatos que apresentavam hepatite crônica e em 28% dos gatos com um tipo específico de tumor no fígado. No caso dos cães, os diagnósticos de hepatite viral caíram vertiginosamente após o advento das vacinas polivalentes caninas, que confere uma proteção eficaz na grande maioria das vezes – contra o Adenovírus tipo I canino. Entretanto, a doença pode ocorrer, e os médicos veterinários precisam se manter atentos para a reconhecer! Com a prática das vacinas, ela passou a ser considerada “rara”, e seus sintomas podem passar “desapercebidos” ou serem confundidos com quadros de “intoxicação”.

Os sinais podem surgir com muita gravidade e muito rápido, envolvendo colapso circulatório, coma e morte em apenas 24 a 48 horas após o início dos sintomas. Pode haver febre, aumento de linfonodos (gânglios) cervicais, falta de apetite, fraqueza, conjuntivite, vômito com ou sem sangue, diarreia, tosse, respiração acelerada e a icterícia (amarelamento da pele e mucosas). Ainda, alterações neurológicas como tremores, incoordenação motora, convulsões, “andar em círculos”, cegueira, vocalizações sem motivo aparente, e até uma alteração nervosa caracterizada pelo “pressionar da cabeça do cãozinho contra uma parede” – que chamamos no consultório de “head pressing”.

Alterações oculares (olho azul ou “blue eye”) podem ser os únicos sintomas em animais com infecção leve, podendo haver uveíte anterior, irritação ocular, aversão do cãozinho à luz e secreção nos olhos.

No caso da hepatite viral felina, muitos estudos ainda estão em andamento, para que possamos compreender as características da doença e sua importância na espécie.

Por enquanto, o que podemos afirmar com toda a certeza, é que para proteger o seu cão de tudo isso, a principal estratégia é a vacinação!

Agora que a gente te abasteceu de informação, nos diga: a vacinação do seu amigo canino está atualizada?!

Caso haja atraso das aplicações, ou se você precisa da nossa ajuda para verificar, fale conosco através do nosso WhatsApp.

Nossa equipe clínica está sempre pronta para proteger o seu melhor companheiro!